terça-feira, 4 de dezembro de 2007

As ilhas de Urbano Tavares Rodrigues


Um feliz acaso me fez mergulhar nas páginas do novo livro de Urbano Tavares Rodrigues. Pelo meio de uma prosa fresca e escorreita, que nos faz viajar no tempo e no espaço, encontrei esta pérola.


“Sabe Deus quanto eu amo estas ilhas, o seu povo crente, ingénuo e fraterno, este clima tão variável, com brumas e chuvas cariciosas, a luz que espia por detrás das nuvens e todas estas flores, os picos vulcânicos, as secretas lagoas que foram crateras, o verde por todo o lado, as tranquilas vacas roendo esperanças nas suas pastagens”. (in pág. 61 e 62, “Os Cadernos Secretos do Prior do Crato”, de Urbano Tavares Rodrigues)


Podiam ser minhas estas palavras, mas o mestre escreveu-as primeiro. A mim resta-me recomendá-las a quem tiver uns momentos para mergulhar nas páginas d'Os cadernos do Prior do Crato. Lê-se de um folêgo. Mas no fim queria-se mais.

4 comentários:

Desambientado disse...

Há brilho nos pinheiros,
Como candeeiros,
Para imitar as estrelas,
As cores não são delas:
São escapadelas,
Fugazes e belas.
Que tragam:
Um Feliz Natal
Descomunal…

Félix

Anónimo disse...

Boas Festas! Bom ano!

Rui Goulart

elbravinha disse...

Bom Ano para todos, que as festas, essas, chegaram ao fim... :)

marialascas disse...

Também li o livro dum fôlego. gostei do seu blog.